Dicionário da gestação: Letra C

Câimbra
São muito comuns durante toda a gestação e ocorrem nas pernas, pés e costas. O seu aparecimento é resultado da pressão do bebê sobre o sistema circulatório da mãe, mas também pode ser provocado em razão da carência de cálcio ou vitamina B1, da falta de exercícios físicos regulares, do excesso de peso, de uma dieta sem sal, entre outros fatores. Em uma crise, mantenha a perna bem estendida e flexione a ponta do pé para cima em direção ao tornozelo.

Cálcio
Mineral que tem um papel fundamental na formação do esqueleto do feto. Ajuda também no bom funcionamento do organismo da gestante, no processo de coagulação do sangue e a manter a pressão sanguínea, os batimentos cardíacos e a contração muscular em ordem. Principais fontes de cálcio: Leite, Queijo, Iogurte, Cereais, Sardinha em conserva e Brócolis.

Canal de parto
É o espaço interno do corpo da mulher, que se segue do colo do útero até a vagina. No parto normal, é o caminho percorrido pelo bebê durante o período de expulsão.

Cancro do colo uterino
Doença que se desenvolve nas mulheres geneticamente predispostas. É evitável através do controle com citologia de Papanicolau e Colposcopia.

Cancro do endométrio
É mais freqüente nas mulheres com hipertensão, diabetes ou obesas, e apresenta-se depois da menopausa como uma menstruação. Se for operado de imediato é curável.

Candidíase
A cândida SP é um fungo muitas vezes presente na flora vaginal e muito comum na gravidez devido às alterações hormonais.
Se for criado um meio propício ao seu desenvolvimento, ele irá se proliferar.
Como todo fungo, ela gosta de regiões úmidas e com alimento, e a mucosa vaginal é um local ideal para o seu desenvolvimento.
Como causas mais freqüentes de sua proliferação estão:

- queda de imunidade
- má higiene pessoal
- distúrbios no organismo
- diabetes
- uso de calcinhas de lycra e/ou nylon
- absorventes diários
- uso de calças muito justas junto à vulva (principalmente de tecidos grossos como o jeans)
- gravidez
- costume de permanecer com a roupa de banho molhada quando se vai à praia ou à piscina
- stress
- uso de determinados medicamentos, como antibióticos
- relações sexuais com um parceiro infectado
- Os anticoncepcionais também mudam a parte hormonal da vagina e podem favorecer o aparecimento da cândida.

Seu sintoma principal é a presença de um corrimento branco coalhado, como nata de leite, de prurido e irritação da vulva e de ardência quando da relação sexual. A transmissão não é necessariamente sexual.

O tratamento da candidíase é feito com medicamentos específicos, sob a forma de creme vaginal ou via oral, com comprimidos. Porém, o importante é procurar descobrir em que situações é mais freqüente a ocorrência da cândida.

De forma alguma deve-se recorrer a tratamentos caseiros indicados por parentes, amigos ou balconistas de farmácias, pois esta prática dificulta o diagnóstico correto. Somente o ginecologista é que pode dar um diagnóstico preciso e realizar o tratamento ideal.

A mulher deve se abster de qualquer contato sexual ou íntimo até que seu médico lhe diga o contrário.

CCN – Comprimento cabeça/nádegas

Termo utilizado no ultra-som como medida do feto. Após 14 semanas de gestação não é mais possível medi-lo desta forma.

Cerclagem
Pequeno procedimento cirúrgico realizado quando a gestante apresenta incompetência istmo cervical, ou seja, quando o colo do útero está mais curto ou dilatado, e, por isso, não consegue segurar o feto.
A cerclagem é feita antes da 16ª semana, porém somente o ginecologista tem condições de avaliar qual a melhor época para realizá-la.
Um dos seus sintomas é o sangramento, que pode vir acompanhado, ou não, de uma pequena cólica.

Cervicite
Inflamação infecciosa do colo do útero, provocada por vários tipos de bactérias. Normalmente revela-se por sangramento da zona ou por corrimento, que são observados durante um exame ginecológico.
Se originada por bactérias, como a responsável pela gonorréia, podem causar a Doença Inflamatória Pélvica (DIP), que é uma infecção grave. Os danos podem até causar esterilidade e outros problemas na gravidez.

Cérvix
O mesmo que colo do útero. Porção inferior do útero.

Cesárea ou Cesariana
Procedimento cirúrgico utilizado para retirada do bebê do útero materno. Indicada para os casos em que o parto vaginal não é possível, por exemplo, quando o bebê é muito grande, quando a gestante tem alguma doença sexualmente transmissível, ou em casos de sofrimento fetal.

Ciclo menstrual
Conjunto de transformações que ocorrem no organismo da mulher, a partir do primeiro dia de uma menstruação até o dia anterior ao início da menstruação seguinte. É dividido em várias fases: período menstrual, período seco ou fase pré-ovulatória, período ovulatório e período pós-ovulatório.

Cistite
Inflamação das vias urinárias muito comum nas grávidas. Quando ocorre ardência ao urinar, a cistite pode estar se instalando. O tratamento deve ser feito logo no início, com acompanhamento médico. Como a predisposição para infecções urinárias é grande, deve-se tomar algumas medidas preventivas.

Citomegalovírus
Trata-se de um vírus que pertence à família dos herpes-vírus, que possui o homem como seu único hospedeiro. Desta família também fazem parte o vírus Herpes (tipo I e II), Varicela-Zoster, Epstein-Barr e o vírus associado ao Sarcoma de Kaposi.
Após uma infecção aguda, o vírus não é eliminado do organismo e permanece em seu interior sob a forma latente, podendo ser reativado em diferentes circunstâncias, principalmente nos casos de alterações imunológicas, como na gestação. Quando transmitida ao bebê, pela mãe, pode gerar má formações fetais.

Clamídia
Doença infecto-contagiosa dos órgãos genitais masculinos ou femininos transmitida através de relação sexual (mesmo que o doente não esteja apresentando sintomas). É uma doença perigosa, pois, normalmente, só se manifesta quando já prejudicou seriamente os órgãos reprodutores, especialmente das mulheres. A clamídia causa um corrimento escasso e ardor ao urinar. Se não for tratada pode permanecer durante anos contaminando o organismo. Às vezes é descoberta acidentalmente através de pesquisas em casais com alterações da fertilidade.

Climatério
Conjunto de mudanças adaptativas que são produzidas na mulher como conseqüência do declínio da função ovariana na menopausa. Consiste em aumento de peso, “calores” freqüentes, alterações da distribuição dos pêlos corporais, dispareunia.

Cloasmas
Manchas escuras e irregulares localizadas, principalmente, nas maçãs do rosto, nariz, lábio superior, queixo, têmporas e testa. Está ligado a fatores hormonais e à exposição excessiva ao sol. No caso do aparecimento em gestantes, estas manchas são chamadas de máscara gravídica ou cloasma gravídico e desaparecem após algum tempo depois do nascimento do bebê.

Clomid
Indutor de ovulação que só deve ser tomado após uma profunda avaliação do casal e do ciclo menstrual, através de exames específicos, e depois de se ter comprovado que a mulher realmente não está ovulando, ou seja, que está tendo ciclos anovulatórios, caso contrário sua administração pode causar efeitos colaterais. Para saber se a mulher está ovulando é necessário fazer exames hormonais seriados para acompanhar as dosagens hormonais durante o ciclo. Estas dosagens devem ser realizadas sem estar usando nenhuma medicação e devem ser dosados todos os hormônios.

Coito interrompido
Método contraceptivo natural que consiste na retirada do pênis da vagina antes da ejaculação.
Não é um método seguro, pois os homens eliminam secreções lubrificantes que podem conter espermatozóides o suficiente para levar a mulher à gravidez. As gravidezes indesejadas ocorrem facilmente em pessoas que se utilizam este método.

Colo do útero
O mesmo que cérvix. Porção inferior do útero.

Colostro
Substância espessa, amarelada e transparente que os seios produzem nas primeiras 72 horas após o parto. É particularmente importante e valioso para o bebê, pois é riquíssimo em anticorpos que o protegem contra uma série de infecções, como a respiratória e a intestinal. Possui água e uma grande quantidade de proteínas. Recomenda-se que o bebê mame imediatamente após seu nascimento para ser protegido destas infecções e para acostumar-se com a sucção do seio.

Colposcopia
Complementa a citologia e é muito útil para a detecção precoce do HPV (vírus do papiloma humano). Realiza-se com uma observação do colo uterino através de um instrumento óptico chamado colposcópio.

Condilomas
Pequenas verrugas na região vaginal ou anal, adquiridas através da relação sexual com parceiros infectados, que podem contaminar o bebê no momento do parto. Neste caso, a cesárea é o tipo de parto mais adequado.

Congestão nasal
Mais uma vez os hormônios são os responsáveis. Eles obstruem a membrana que reveste a mucosa das narinas e eu efeito dá a sensação de resfriado. Evitar o uso de descongestionantes em gotas; não tomar remédios sem o consentimento do médico e não assoar o nariz com força.

Contrações de Braxton-Hicks
São treinamentos que o útero faz como uma preparação para o parto. Estas contrações costumam aparecer após a 23ª semana e são absolutamente normais e de intensidade leve e indolor, que tendem a ficar mais freqüentes e intensas próximo ao 9º mês.

Contrações uterinas
Caracterizam-se pelo endurecimento do abdômen e é um sinal de que o bebê vai nascer. Ocorrem em intervalos regulares, aumentando de freqüência e intensidade à medida em que a hora do nascimento vai chegando. Se ocorrerem antes da data prevista para o parto, indicam nascimento prematuro.

Cordão umbilical
Estrutura azul-esverdeada que liga o bebê à placenta, proporcionando-lhe oxigênio, nutrientes e anticorpos, além de retirar do seu organismo as toxinas produzidas pelo seu próprio metabolismo. No Momento do parto o cordão umbilical tem aproximadamente 13mm de diâmetro e o comprimento será proporcional à altura do bebê. Como o cordão não contém nervos, nem a gestante, nem o bebê sentem o corte. Entretanto, o obstetra tem que fazer algum esforço para cortá-lo, pois ele é constituído de uma dura cartilagem, que o protege da compressão durante toda a gravidez e parto.

Cordocentese
Exame realizado depois da 20ª semana de gravidez para diagnosticar anomalias cromossômicas, tipagem sangüínea, pesquisas de infecções congênitas e disfunções metabólicas no bebê.
É indicado no caso de gestantes acima de 35 anos, casais que já têm um filho ou parentes com doenças genéticas e quando o ultra-som ou o exame de translucência nucal acusaram um resultado alterado.

Corpo lúteo
Responsável pela produção de progesterona após a ovulação. Ajuda a preparar as paredes do útero (endométrio) para a implantação do embrião.

Corrimento vaginal
Qualquer tipo de corrimento atrapalha nas tentativas de engravidar, pois eles alteram o pH da vagina, dificultando desta forma a ação dos espermatozóides.
No caso de se perceber alteração na cor e um odor forte na secreção vaginal ou ocorrerem coceiras, ardência e/ou irritação na vulva, a mulher deve imediatamente procurar seu ginecologista.
É muito importante tratar os corrimentos antes de engravidar, pois alguns deles podem causar abortamento.
No caso da gestante, logo nos primeiros meses, com a alteração do meio vaginal ela fica mais vulnerável à vaginites. Portanto, é necessário prestar bastante atenção quanto aos corrimentos, pois a saúde do duto vaginal é muito importante para o nascimento do bebê.

Cromossomos
Tanto o núcleo do óvulo como o núcleo do espermatozóide carregam no seu interior 23 cromossomos, bastões microscópicos com todas as características biológicas. Da fusão dos dois núcleos resultam 46 cromossomos, dispostos em pares. Mas o último par é que irá definir o sexo do embrião: se for XX será uma menina; se for XY, um menino. O núcleo do óvulo é sempre portador de cromossomos X. Portanto, quem determina o sexo é o núcleo do espermatozóide: 50% dos espermatozóides carrega, em seu núcleo, um cromossomo X, os outros 50%, um Y. Assim, as chances de conceber uma menina ou um menino, são absolutamente iguais.

Curetagem Uterina
Procedimento cirúrgico utilizado para limpeza da cavidade uterina, que pode ser necessário após uma situação de aborto espontâneo ou retido.
É recomendável aguardar pelo menos 3 meses, após o aborto, para engravidar novamente. Este tempo é necessário para que o útero fique preparado para receber uma nova gravidez, mas somente o médico poderá dizer se este prazo é o suficiente ou se a mulher precisa de um prazo maior.

← Voltar

© 2014 - Grávida em Campinas